Óleo essencial de tea tree: sua relação com a bebida do chá

O que você vai encontrar neste artigo

Se você é daquelas pessoas interessadas em medicina alternativa e nas opções naturais, certamente já escutou falar sobre o óleo essencial de tea tree ou árvore de chá.

Nos últimos anos, a medicina tem buscado encontrar alternativas aos antibióticos naturais por causa da resistência que as bactérias oferecem aos mesmos.

Este é justamente o tema em que óleo essencial de tea tree oferece sua contribuição.

À primeira vista não duvidamos de que possa existir uma relação entre essa planta e o chá. Já que compartilham do mesmo nome, além de possuirem outras semelhanças.

Porém o tea tree e a planta da qual obtemos o chá, são totalmente diferentes.

Tea Tree post

Óleo essencial de tea tree: o que é?

Neste óleo essencial é conhecido por suas propriedades para tratar infecções da pele. Trata-se de um líquido transparente entre incolor e âmbar. Possui um odor característico muito forte.

O princípio ativo, o seja, seu óleo essencial, é extraído por meio da destilação.

óleo essencial de tea tree

História do uso do óleo essencial do tea tree

Os povos originários australianos utilizaram essa planta para curar infecções das vias respiratórias. Para isso, moíam as folhas para extrair o óleo que posteriormente inalavam.

Em outras ocasiões, as aplicavam em forma de loção sobre as feridas para curá-las. Inclusive, a infusão de suas folhas servia para aliviar infecções da pele.

Durante os anos 20, foram publicadas as primeiras referências sobre a atividade antimicrobiana do óleo essencial de tea tree.

Nessas publicações se comparou a atividade antiséptica entre desinfetantes como o fenol e o óleo essencial de árvore de chá. Este último apresentou uma atividade onze vezes superior.

De fato, durante a Segunda Guerra Mundial ele foi incorporado ao equipamento sanitário de soldados australianos.

A árvore de chá ou tea tree

O nome científico da árvore de chá ou tea tree é Malaleuca alternifolia. Trata-se de um arbusto que pertence à família das mirtáceas.

Por consequência, não possui relação com a planta do chá.

Esse arbusto, também chamado árvore de chá, de folha estreita, provém da Austrália. Costuma crescer em terrenos pantanosos da costa norte de Nova Gales do Sul e Queensland.

Sua forma lembra a de uma pequena árvore e pode alcançar os cinco metros de altura. Possui folhas estreitas e aromáticas e pequenas flores brancas.

flor da árvore do chá

A Camellia sinensis

A planta que dá origem ao chá, ou seja, a Camellia sinensis, é um pequeno arbusto perene. Suas folhas tem bordas serradas e podem chegar a medir 20 centímetros.

Possui flores brancas, embora estas não se consomem. Então, com isso fica claro que se trata de duas plantas distintas.

Das sementes de outras variedades de Camellia se obtém o óleo essencial de camélia -a camélia oleifera, sasanqua e a japonesa principalmente-. Este óleo essencial é de uso milenar na China e é conhecido como o segredo de beleza das gueixas.

Da mesma forma que o óleo essencial do árvore de chá, o óleo essencial da camélia é utilizado por suas propriedades para a pele. Neste caso, possui propriedades hidratantes e cicatrizantes.

Estas são aproveitadas para o tratamento de rugas e para a recuperação de feridas. Também são conhecidos seus usos como complemento da limpeza da pele.

O óleo essencial de camélia é rico em ácidos graxos, vitamina E, vitamina A, vitamina B, vitamina D, fósforo, zinco, cálcio, e magnésio.

folha de planta de chá - comparado com tea tree

Como se utiliza o óleo essencial de tea tree?

O óleo essencial de tea tree é conhecido por suas qualidades antibacterianas, anti-inflamatorias, antisépticas, desinfetantes, antimicrobianas, antivirais e antifúngicas.

Frequentemente se utiliza para o tratamento de caspa, acne, as micoses e as picadas de insetos.

Hoje em dia, este óleo essencial pode ser encontrado dentre os ingrediente de diversos produtos como shampoos, cremes, tônicos, ungüentos, géis, etc.

Precauções referentes ao seu uso

O óleo essencial de tea tree é seguro quando aplicado de forma tópica. No entanto, pode ter graves efeitos colaterais quando é ingerido.

Em algumas situações, o uso excessivo do óleo de tea tree pode provocar dermatite por contato. No entanto, somente causa esses efeitos em peles extremamente sensíveis ou em concentração muito alta.

Seu armazenamento incorreto pode provocar oxidação da substância, o que também pode acarretar em um efeito indesejado.

Por esses motivos, recomenda-se provar o óleo na pele em baixa quantidade e esperar pelo menos vinte quatro horas. No caso de ter uma pele ultra sensível, é recomendável diluir a concentração em óleo de coco, amêndoas ou oliva.

Gostou deste post? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Sobre mim

Victoria Bisogno

Sou Victoria Bisogno, fundadora do El Club del Té e criadora da Técnica de Análise Sensorial de Chá, a primeira metodologia com fundamento científico focado na análise sensorial do chá.

Siga-me!

Posts recentes

Siga-nos no Facebook