OP1, FBOP, TGFOP1: os graus do chá…o que significam?

Los grados del té

Quer aprender sobre os graus do chá conhecendo os termos que usam os especialistas para adquirir toda a informação existente nas folhas e realizar uma compra bem-sucedida? Venha descobrir como neste post.

Graus do chá: o que significam

Muitas vezes os produtores agregam às embalagens de chá diferentes letras em suas etiquetas. Essas siglas são termos que se usam para identificar os graus do chá.

Os graus do chá não descrevem as características organolépticas do chá (como o corpo, a textura ou o aroma) mas sim nos ajudam a entender como é a aparência da folha, o que pode ser útil quando compramos chá por catálogo.

Esses graus formados por letras como OP1, FBOP, TGFOP1, etc. somente se aplicam aos chás pretos de alguns países, e até os melhores estudantes podem se confundir, uma vez que não é uma forma muito intuitiva de descrever a forma e o tamanho das folhas de chá.

Faço um convite para que você venha aprender como ler os nomes dos graus de chá e suas siglas para que, ao realizar as compras de seus chás favoritos tudo fique muito mais claro.

Nomenclaturas ao redor do mundo

Não existe um sistema universal de aplicar os graus do chá uma vez que, por exemplo, na China, normalmente o fazem com números de 1 a 10, sendo o 1 a qualificação mais alta, até 7,8 ou 9, baseado no estilo da folha, sua forma, a quantidade de brotos presentes, o tipo da colheita e o quão cuidadosamente foi realizado o processo de sua produção.

Em Taiwan e Japão, o intervalo de graus vai em ordem decrescente desde: Extra Choicest. Choicest, Choice, Finest, Fine, Good Medium, Medium, Good Common, Common, Nubs, a Dust and Fannings.

O sistema de graus que em geral se utiliza é aquele dos chás pretos produzidos em países como Índia, Sri Lanka, Argentina, Indonésia, Malásia e também no continente africano e na Europa.

Alguns dos termos mais comuns são:

OP: Orange Pekoe
FOP: Flowery Orange Pekoe
GFOP: Golden Flowery Orange Pekoe
TGFOP: Tippy Golden Flowery Orange Pekoe
TGFOP 1: Tippy Golden Flowery Orange Pekoe One
FTGFOP: Finest Tippy Golden Flowery Orange Pekoe
FTGFOP 1: Finest Tippy Golden Flowery Orange Pekoe One
SFTGFOP: Special Finest Tippy Golden Flowery Orange Pekoe
SFTGFOP 1: Special Finest Tippy Golden Flowery Orange Pekoe One

Para as folhas partidas agregamos a letra “B” ao nome como BOP (Broken Orange Pekoe), FBOP, GBOP, TGBOP, etc.

Para os chás de qualidade inferior, usados em saquinhos, são utilizados graus de fannings e dust, como por exemplo: OF, OPF, FBOPF, FD, GD

Los grados del té

Graus do chá: interpretando seu significado

Os graus do chá nos ajudam a entender como são suas folhas e o que podemos esperar delas em termos de força, aroma e doçura.

É muito importante aprender a ler essas siglas e seu significado, uma vez que nos trazem muita informação sobre esse chá, o que nos pode ser muito útil na hora de escolher o perfil sensorial de determinado chá.

Sabemos que as folhas partidas em pequenos pedaços nos dão um licor mais intenso que as folhas inteiras de chá. Dessa forma, se está procurando um chá preto para ser usado em um estilo de blend para o café-da-manhã, então deverá buscar algum na linha dos “broken tea”, procurando por B nos graus.

Se, pelo contrário, o que quer é um chá preto que seja doce, suave, o aconselhável é escolher um com as letras F ou G, que irão oferecer essa experiência devido à grande quantidade de brotos que contém.

Assim que, cada letra oferece informação que, ao ser interpretada nos permite tomar melhores decisões na hora de comprar.

Toda a informação que podemos reunir sobre os chás será muito útil quando queiramos realizar uma compra ou começar um negócio de chá.

Conselhos para comprar chá por catálogo

Os graus do chá são designados por cada produtor, de forma que é importante mencionar que às vezes o critério de aplicação de um para o outro pode variar.

Alguns produtores podem tender a “exagerar” um pouco o grau das folhas, de maneira que é importante saber como distinguir cada grau e corroborar essa informação com um experto sommelier de Chá.

A melhor forma de assegurarmos que estamos comprando o que esperamos é solicitar que nos enviem amostras antes de comprar e analisá-las mediante uma cata técnica.

Na maior parte das vezes as compras de chá são feitas através da internet (por catálogo) e por isso as abreviações, designações e graus que discutimos aqui são muito úteis.

Os graus do chá nos proporcionam informação sobre a aparência e o estilo do chá, mas lembre-se que é fundamental pedir amostras e analisar sensorialmente o chá (ou pedir a um amigo Sommelier de Chá que o faça) antes de comprar, a fim de eliminar todas as dúvidas. Os sentidos nunca se equivocam!

4 erros que não se deve cometer ao preparar o chá

ERRO NÚMERO 1: Escolher mal o chá

O erro mais comum na hora de preparar o chá é escolher o chá não apropriado para o momento.

Cada chá tem diferentes características que o fazem mais apropriado para um determinado momento ou situação.

Por exemplo, antes de ir dormir não queremos beber um chá com altos níveis de cafeína como poderia ser um chá preto ou um puerh cozido, porque isso poderia gerar um leve estado de excitação e prejudicar nosso sono.

Pelo contrário, antes de dormir queremos escolher um chá com baixa quantidade de cafeína para poder aproveitar do estado suave de relaxamento que nos oferece a infusão de Camellia sinensis, como quando preparamos um delicioso oolong torrado.

Também, quando oferecemos chá a uma pessoa querida, devemos pensar em seu gosto pessoal, não no nosso próprio.

É muito comum que nós, mulheres, gostemos dos chás com baunilha, especiarias, frutas, mas geralmente não são os favoritos dos homens.

Então, na hora de oferecer um chá ao seu pai, seu filho, seu marido, seu amigo… não pense em si mesma, pense que, no geral, os homens apreciam mais os chás menos “adornados”, inclinando-se em geral pelos chás pretos e verdes sem nenhum ingrediente agregado.

Escolher adequadamente o chá é fundamental para poder aproveitar melhor!

ERRO NÚMERO 2: infusionar as ervas em água fervente.

O sabor do chá deve-se a muitos fatores. Um deles é a forma de preparação do chá, na qual se inclui a temperatura da água em contato com as ervas.

Se comparamos a preparação de um mesmo chá infusionado com água da mesma qualidade em diferentes temperaturas, vemos como nossa infusão se expressa de uma maneira totalmente diferente.

Ao preparar o chá com água na temperatura adequada conseguimos equilibrar suas características e extrair seu sabor de forma amável. Desta maneira, conseguimos a melhor expressão de nosso chá, seja qual for a variedade.

Ao contrário, se preparamos o mesmo chá com água fervente, vamos forçar a extração de substâncias químicas presentes nas folhas de chá que, ao preparar com a temperatura adequada, não seriam extraídas ou estariam presentes em quantidades inferiores.

É o caso das catequinas, substâncias antioxidantes do chá que lhe dão sabor amargo. As catequinas são extraídas muito mais rapidamente e em maior quantidade em temperaturas muito altas da água, razão pela qual se utilizamos água fervendo para preparar o chá, este se tornará muito amargo gerando uma sensação desagradável ao paladar.

A mesma experiência, porém, utilizando uma temperatura de água mais baixa, irá extrair uma menor quantidade de catequinas (ainda assim será uma alta concentração desses compostos antioxidantes, com os quais obtemos os benefícios para a saúde) mas não irá gerar tanto gosto amargo.

ERRO NÚMERO 3: Deixar as ervas em contato com a água por mais tempo que o necessário.

Esse erro é muito comum e tem uma causa similar ao caso anterior: quanto mais tempo deixamos as folhas de chá em contato com a água, maiores quantidades de substâncias passam ao licor.

Ao preparar o chá não queremos extrair toooodo o conteúdo das folhas. Queremos o equilíbrio entre os compostos aromáticos e o sabor, entre textura e saturação, entre complexidade na boca e o excesso de extração.

Para não cometer erros na hora de preparar o chá ao estilo ocidental, recomendo utilizar os seguintes intervalos de tempo e temperatura da água:

  • Chá branco: 75° a 85° C – 3 a 5 minutos
  • Chá verde e amarelo: 70° a 80°C – 1 a 2 minutos
  • Chá azul (oolong): 75 °- 95°C – 5 minutos
  • Chá preto: 75 ° – 90 ° C – 3 a 4 minutos
  • Puerh: 95°C – 5 minutos

ERRO NÚMERO 4: Deixar as folhas soltas no bule

Esse é um dos erros mais comuns que vemos.

Em alguns salões de chá preparam o chá solto (as folhas soltas) dentro do bule. Algumas vezes ao menos indicam a você o tempo necessário para a infusão, mas em seguida oferecem para servir o chá sem oferecer os utensílios necessários para prepará-lo adequadamente.

As folhas soltas infusionam livremente dentro do bule, que em geral contém um volume maior do que uma xícara.

Geralmente, ao servir uma xícara, resta água dentro do bule em contato com as folhas. Depois de alguns minutos, quando queremos nos servir da segunda xícara de chá, o licor (o líquido que se forma ao infusionar as folhas de chá na água) está muito amargo e adstringente. Possui um sabor que não queremos.

Muitas vezes, devido a isso, as pessoas se veem obrigadas a adicionar açúcar e/ou leite ao chá para poder bebê-lo, diminuindo as propriedades naturais do chá ao agregar esses ingredientes.

Com o passar do tempo, o chá se torna muito amargo e adstringente porque enquanto o chá permanecer em contato com o líquido, a água seguirá extraindo as substâncias solúveis que estão nas folhas.

Para preparar corretamente o chá, buscamos qual parte dos compostos solúveis das folhas (os que não queremos extrair) irão permanecer dentro das folhas do chá enquanto outra parte (a que contém o sabor, o aroma, a textura etc.) efetivamente passarão para a xícara para que possamos delas desfrutar.

Conseguimos isso controlando o tempo de infusão.

Para evitar esse erro é necessário utilizar um infusor: o instrumento que permite separar as folhas da água no momento em que consideramos adequado para uma correta infusão e, dessa forma, controlar de forma efetiva o tempo em que as folhas do chá permanecem em contato com a água.

De que maneira você prepara o seu chá? Conte-nos em nossa página do Facebook ou do instagram.

Workshop de Chá Branco

Cata de té blanco

O workshop de chá branco é uma oportunidade para descobrir um dos tipos de chá mais delicados e complexos do mercado. Será um encontro no qual faremos a degustação de diferentes chás brancos de distintas origens.

No workshop de chá branco convidamos você a saborear diferentes chás desta variedade, de diversas características. O evento é composto por uma parte teórica e uma parte prática, na qual realizaremos a degustação de diferentes tipos de chá branco, alguns clássicos e outros bem raros, difíceis de encontrar.

O que é o Chá Branco?

O chá branco é um dos mais sutis, e ao mesmo tempo, é uma das variedades de chá que oferece maior complexidade quando analisamos seu perfil sensorial. Por isso te convidamos a descobri-lo pelas mãos de sommeliers de chá que formam a equipe de especialistas do El Club del Té.

Considerando que muitos desses chás possuem uma grande quantidade de brotos (folhas incipientes, que ainda não se desenvolveram como tais), seu preço costuma ser um dos mais altos do mercado, uma vez que é mais difícil obtê-los.

O nome deste tipo de chá deve-se ao fato que na planta de chá os brotos jovens são providos por uma espécie de capa de penugem chamada de tricomas ou pekoe, que dão um aspecto branco-prateado às folhas deste tipo de chá. Imaginemos estar em um campo coberto com plantas de chá. Para colher os pequenos brotos, que costumam medir entre 1 e 2,5 centímetros de comprimento) é necessário realizar um trabalho manual muito delicado, que geralmente é feito por mulheres.

Uma lenda popular assegura que jovens donzelas do Império Chinês se dirigiam aos jardins sagrados de chá, colhiam as folhas com tesouras de ouro, preparavam o chá com especial cuidado e arte utilizando para tanto uma água muito pura e, em seguida, serviam a infusão na xícara do Imperador. Ninguém sabe onde se encontravam esses jardins sagrados, uma espécie de meca para esses chás, mas alguns dizem que “os poucos que conseguiram descobrir esse mistério foram imediatamente executados…” (Opio, Maxence Fermine).

Origem do Chá Branco

Hoje sabemos com certeza que os melhores chás brancos vêm da China, em particular da província de Fujian, ainda que algumas outras províncias chinesas e outros países também o elaborem, como o Sri Lanka (com seu Ceylon Silver Needles), Índia, Nepal e Malawi, entre outros.

Muitos chás brancos encontram-se aromatizados com jasmim, uma vez que poucos paladares são capazes de descobrir o leque de sabores que podemos encontrar nesta variedade. Nesse workshop de chá branco te desafiamos a descobrir essa riqueza. Lembre-se que ainda que você não tenha experiência na degustação, neste evento, você será guiado por um sommelier de chá expert para lhe ajudar a provar o chá branco usando todos os seus sentidos.

Cata de té blanco

Propriedades e benefícios do Chá Branco

O chá branco é conhecido como o “chá da beleza”, uma vez que possui importantes propriedades antioxidantes que ajudam a combater os radicais livres, responsáveis pelo processo de degradação das células. Parte das propriedades dos antioxidantes do chá branco é seu efeito anti-idade, e por isso encontramos tantos produtos de beleza que contém chá branco, como cremes, loções, perfumes e até suplementos para dietas.

Beber várias xícaras de chá branco por dia faz com que você incorpore em seu organismo esses antioxidantes e possa se aproveitar desse efeito sobre sua saúde e pele. Aprenda mais sobre esse assunto no workshop de chá branco!

Lenda sobre o descobrimento do Chá Branco

Conta uma lenda que em Fujian, no sudeste da China, uma vez houve uma grande seca que fez com que o povoado não conseguisse colher nada de suas plantações durante vários períodos de tempo.

Em seguida ocorreu uma praga, que causou muitas mortes. Os habitantes mais antigos analisaram essa situação e viram que não sobreviveriam muito tempo assim. Dessa forma, enviaram os jovens do lugar para uma montanha, onde havia um poço em que vivia um dragão, para roubar uma planta sagrada que os curaria de todos os males.

Muitos jovens valentes foram até a montanha em busca da planta mágica, mais nenhum deles voltou com vida, uma vez que poço era justamente protegido por este dragão negro tão perigoso.

E foi assim que três irmãos (dois meninos e uma menina) também decidiram realizar essa aventura em busca da árvore sagrada. O irmão mais velho partiu primeiro e nunca regressou. O segundo irmão, também homem, foi até a montanha do dragão para conseguir a planta milagrosa, mas da mesma forma não conseguiu retornar. Por último, a irmã, a única menina, tomou coragem e seguiu para essa aventura. Quando chegou à montanha do poço do dragão descobriu que seus irmãos haviam se transformado em pedras. Não sabemos como, mas de forma muito hábil a irmãzinha conseguiu roubar a planta do dragão e resgatar seus irmãos, fazendo com que estes voltassem à vida.

Logo em seguida, ela plantou as sementes dessa planta na terra fazendo com que a mesma voltasse a ser fértil. Depois as pessoas doentes do povoado se recuperaram. A partir desse dia todas as plantas de Fujian se transformaram em plantas de chá.  Se você gostou dessa história, convidamos a descobrir mais sobre isso no workshop de chá branco.

Variedades do Chá Branco

Comparado aos outros tipos de chá, como o chá verde ou preto, dos quais existem literalmente milhares de variedades no mundo, segundo o tipo de colheita, período do ano no qual as folhas são colhidas, cultivar, processos de elaboração, etc., o chá branco é um dos que menos possui variantes.

Os chás brancos mais conhecidos são:

  • Silver Neddles (também conhecido como Yin Zhen ou Bai Hao Yin Zhen) é originário de Fujian, China. Trata-se de um chá branco composto unicamente por brotos tenros da planta cobertos por penugens chamadas tricomas, por isso sua cor prateada.
  • Pai Mutan (o Bai Mu Dan) é outro chá de Fujian, China, composto por uma mistura de brotos e folhas. As folhas têm tonalidades esverdeadas, amareladas, prateadas e amarronzadas.
  • Gong Mei é um chá branco de Fujian, China, parecido com o Pai Mutan mas com folhas de qualidade inferior
  • Shao Mee (o Shou Mei) é um chá similar também ao Pai MuTan e ao Gong Mei, mas suas folhas são de qualidade mais baixa ainda. É possível observar folhas quebradas de distintos tamanhos, pó e talos.

Notas da análise sensorial (cata) do Chá Branco:

Quanto ao perfil sensorial, comparado com os demais tipos de chá, o chá branco é o mais delicado e sutil. Leva um pouco mais de tempo e estudo de analise sensorial do chá, mas com a prática todos estamos capacitados para descobrir esse imenso leque de aromas que desprendem esses chás fabulosos, que podem ir desde as notas a mel, a rosas, a vegetais cozidos e a pão tostado.

Como preparar o Chá Branco?

Para uma correta preparação do chá branco, recomendamos utilizar água a uma temperatura entre 75° a 85° C e fazer uma infusão de 3 a 5 minutos, dependendo do chá que vamos beber. Anime-se a experimenta-lo!

Harmonização para o Chá Branco

Se você quiser descobrir todo o encanto do chá branco, recomendamos bebe-lo sozinho (sem acompanhamento) para que nada interfira em sua experiência sensorial e você possa usufruir deste chá tão delicado.

Mas se deseja acompanha-lo com alguma comida, deve buscar um alimento muito delicado que não esconda o sutil sabor do chá. Uma tigela de arroz branco, uma torta de ricota ou pâtisserie sem chocolate poderiam ser exemplos de uma boa harmonização para seu chá branco.

Video: tipo de chaleiras

Workshop de Chá Violeta Purple Tea

purple tea - té morado

No workshop de chá violeta ou purple tea, descobriremos uma nova variedade de chá cujas folhas são de uma cor roxa ou violeta.

Sem nenhum tipo de ingrediente químico adicionado e sob condições climáticas especiais, determinadas variedades especiais da planta do chá (Camellia sinensis) produzem naturalmente folhas de cor violeta ou roxo escuro, das quais se elaboram diversos tipos de chá como chá verde, preto ou puerh.

De uma variedade muito especial de chá violeta do Quênia obtém-se uma infusão de licor rosado e sabor muito particular. E de um cultivar violeta de Yunnan, é obtido um puerh, também de folhas de cor roxa ou violeta.

O workshop de chá violeta é composto por uma apresentação audiovisual, na qual falaremos da origem, história, geografia, os diversos tipos de chá violeta e sua forma de preparo, e também por uma parte prática, na qual realizaremos uma degustação guiada (cata) dos chás em folhas de alta qualidade, com o objetivo de descobrir suas particularidades.

Convidamos você a conhecer as pessoas que produzem esse tipo de chá tão interessante junto a outros chás ortodoxos muito especiais. Esperamos por você!

purple tea - té morado

A história do Chá Violeta do Quênia

O purple tea (chá violeta) foi descoberto no Quênia há 25 anos, quando o país se encontrava com uma crise de oferta, uma vez que os preços estavam muito baixos para o que tinham a oferecer. Grande parte da produção destinava-se aos chás de qualidade média/baixa, fazendo com que os lucros não fossem exatamente o que se esperava.

Foi assim que, frente a um amplo e competitivo mercado de chá, o Quênia apostou em incorporar uma nova variedade da Camellia sinensis e dessa maneira elevar o preço de venda de seus produtos.

Agora veja bem, como é possível que a cor das folhas e do licor seja púrpura? Deve-se ao fato que este cultivar particular desenvolve um alto conteúdo de uma substância responsável pela cor roxa das folhas do chá e posteriormente do licor.

Trata-se de um antioxidante da família dos flavonoides que se caracteriza por gerar uma pigmentação violeta, e que está presente em alguns vegetais e frutas como, por exemplo, a berinjela, a framboesa, a amora, etc. Da mesma forma que as catequinas do chá, esse composto possui múltiplos benefícios para a saúde. Essa substância é a responsável pela cor violeta ou roxa do chá.

O Chá Puerh Violeta da China

Outra variedade muito interessante do chá violeta ou purple tea é o puerh violeta, que é produzido na província de Yunnan, China. Nesta região, as árvores de chá vêm crescendo há centenas de anos e se integraram completamente ao sistema natural. Esses exemplares de Camellia sinensis são a fonte de muitos cruzamentos e mutações naturais, e alguns deles são os responsáveis por produzir folhas e brotos de cor violeta.

Há pouco tempo atrás, pouca atenção era dada a isso, e as raras folhas de cor roxa ou violeta eram descartadas no momento de classificá-las ou se misturavam à outras folhas de chá. No entanto, existem pequenas produções, provenientes de determinados terroirs com maior concentração de plantas de chá violeta, onde as folhas hoje em dia são colhidas separadamente.

O puerh violeta encontra-se, em sua maioria, no formato comprimido (em discos ou tijolos) e tem como particularidade o fato de que, depois de alguns anos de envelhecimento, é possível obter um licor acobreado e muito equilibrado ao paladar, uma maravilha que vale a pena provar neste workshop de chá violeta.

Vídeo: A volta ao mundo em 15 xicaras

Workshop de Chá Africano

Cata de té Africano

No workshop de chá africano descobriremos diferentes chás provenientes desse extenso continente, alguns elaborados com métodos tradicionais e outros com processos mais modernos.

Convidamos você a embrenhar-se em uma viagem virtual pelo Quênia, Malawi, Ruanda, Tanzânia, Uganda e demais nações. Conheceremos a história do chá nesses países, suas regiões produtoras, sua geografia e clima e degustaremos diversas variedades de chás a granel de alta qualidade, buscando potencializar nossos sentidos para identificar cada uma de suas particularidades.

Não é necessário ter conhecimento prévio. Reserva somente por venda antecipada.

Cata de té Africano

Panorama do chá africano

 Quênia é o país africano que concentra a maior produção de chá do continente, ocupando o terceiro lugar na produção mundial, atrás somente de China e Índia. Ainda que se destaque por sua produção de chá preto de alta qualidade, a grande maioria dos chás ali produzidos é utilizada para misturar com outras variedades dessa mesma família, e assim criar os famosos blends britânicos. Isso não é difícil de imaginar, uma vez que o chá foi introduzido em suas terras por causa da colonização inglesa, em princípios do século XX.

Nos últimos anos, o Quênia lançou no mercado um novo cultivar da planta de chá Camellia sinenis: o chá violeta (purple tea).

Outros grandes produtores de chá preto são a Tanzânia e o Zimbabwe, ainda que as dificuldades econômicas que esses países atravessam há décadas impeçam o sucesso de sua comercialização no exterior.

Mesmo sem ser­ proveniente da planta de chá, o Rooibos é originário da África do Sul e se transformou em uma das infusões mais consumidas no mundo por causa de suas notáveis propriedades para a saúde.

Workshop de Chá Taiwanês

campo de té taiwanés

No workshop de chá taiwanês propomos que você descubra porque este país magnífico é famoso pela qualidade dos seus chás preto e chás oolong de alta montanha. Ainda que Taiwan não esteja entre os maiores produtores de chá em quantidade (produz ao redor de 15 milhoes de quilos ao ano) sua história e tradições preservam uma cultura milenar que gira em torno a essa bebida.

O workshop de chá taiwanês é composto de uma parte teórica e uma parte prática. Na primeira, nos dedicaremos à história desse país, conheceremos suas regiões produtoras, seu clima, seu relevo e repassaremos as características dos principais chás ali produzidos.

Na parte prática, experimentaremos uma degustação guiada dos chás mais importantes de Taiwan e descobriremos juntos suas particularidades sensoriais como aroma, textura e sabor.

Não é necessário ter conhecimentos prévios para o workshop de chá taiwanês. Somente são aceitas reservas antecipadas.

campo de té taiwanés

A história do Chá Taiwanês

As primeiras plantações de chá de Taiwan datam do ano de 1700, mas nessa época os chás não se destacavam por sua qualidade. Foi recentemente, no século XIX, quando um carregamento de sementes provenientes da província de Fujian, China, desembarcou acidentalmente em terras taiwanesas, que se descobriu que o clima e a geografia eram excepcionais para a produção de chá de alta qualidade.

A história de Taiwan, sem dúvidas, é intimamente relacionada à cultura chinesa, uma vez que desde meados do século XX, depois da guerra, a ilha é governada pelo antigo regime do gigante asiático. É por isso que, entre outras coisas, o chá conseguiu ocupar um lugar de grande importância dentro das tradições de seus habitantes.

Um claro exemplo disso é a cerimônia taiwanesa do chá, conhecida como Wu-Wo. Assim como na China, essa cerimônia requer muita destreza na hora de preparar o chá, uma vez que certos passos e normas concretas devem ser seguidos. Também possui uma conotação espiritual, de união entre os participantes e representa uma amostra de respeito, amor e fraternidade entre os que participam dela.

Na atualidade, a forma mais moderna de consumir o chá em Taiwan é com o “bubble tea”: um refresco feito à base de chá frio ou quente que é batido com pequenas bolinhas de tapioca saborizadas. Em alguns casos também se adiciona leite. É uma das bebidas mais consumidas entre os jovens taiwaneses e está disponível nas ruas e em lojas de “fast food”.

CATA DE TÉ TAIWANÉS oolong el club del te

A produção do chá taiwanês.

Aproximadamente metade da ilha de Taiwan é ocupada por montanhas cujo pico mais alto, o Yu Shan, ou “montanha de jade” encontra-se a 3.952 metros (dali provém o famoso “oolong de Jade”). O clima predominante é o tropical marítimo na costa e o subtropical nas zonas montanhosas.

Graças às essas condições geográficas e climáticas, Taiwan se destaca pela produção de deliciosas variedades de chá oolong.

As principais zonas produtoras de chá encontram-se nos arredores de Taipei, famosos pela produção do Tie Kuan Yin oolong, Jade oolong e Amber oolong; Wenshan em Pinglin onde se produz o Paochong ou Pouchong; Nantou, onde se elabora o Dong Ding oolong e também uma pequena quantidade de chá preto; Alishan e Lishan, onde se produzem os chás oolongs que levam seu nome; e por último o Tao-Chu-Miao, conhecido pela produção do exótico Oriental Beauty (também chamado de Bai Hao Oolong ou Fanciest Formosa oolong).

Esse último, o Oriental Beauty, possui especial fama porque depende da picada de uma pequena lagarta que morde as folhas de chá, rompendo suas cerdas, e permitindo o início da oxidação quando as folhas ainda estão na planta. Descubra mais sobre isso no workshop de chá taiwanês.

Workshop de chá do Sudeste Asiático

sudeste asiatco - cata

No workshop de chá do sudeste asiático você vai se surpreender com a variedade de chás não tradicionais que essa região do planeta tem a nos oferecer.

Países como Vietnã, Indonésia, Tailândia, Birmânia, Camboja, Filipinas, Malásia e outros, produzem diferentes tipos de chá, os quais possuem qualidades particulares de solo, clima e processos de elaboração. Isso se reflete muito bem nas diferentes sensações aromáticas e gustativas que surgem quando os experimentamos.

Convidamos a descobrir as características desses chás tão interessantes, seu terroir e a cultura que os rodeia.

O workshop de chá do sudeste asiático é composto por uma apresentação audiovisual, como forma de introdução cultural, e uma parte prática, na qual realizaremos a degustação guiada de diversos chás em folhas buscando descobrir um amplo leque de aromas e sabores.

Não é necessário ter conhecimento prévio. Reserva somente por venda antecipada.

Passeio pelo chá do Sudeste Asiático

Quando falamos de chá normalmente pensamos em países como China, Índia ou Japão. No entanto, existem outras regiões aonde se cultiva chá de alta qualidade e que são pouco conhecidas no mercado ocidental.

Atualmente o Vietnã está na sexta posição entre os maiores produtores de chá do mundo e logo em seguida vem a Indonésia, ambos à frente do Japão.

No Vietnã o chá mais consumido é o chá verde, o qual é cultivado no norte do país e tem como particularidade o fato de que suas folhas são maiores do que aquelas com as quais estamos habituados. Seu poder refrescante e estimulante faz com que seja a bebida perfeita para os dias tropicais de calor, além de ser escolhido também por suas inúmeras propriedades para a saúde.

A Tailândia também possui uma cultura de chá muito presente entre seus habitantes. Um dos chás mais consumidos é o dark tea em formato frio, por causa das altas temperaturas que encontramos neste país.  À essa preparação, os tailandeses costumam adicionar leite, açúcar e algumas especiarias.

Além disso, Indonésia, Filipinas e Malásia destacam-se pela produção e consumo de chá preto, cada um com sua marca tradicional.

Video: A história do chá: a Camellia sinensis

Workshop de Chá Comprimido

Cata de té

Na Workshop de Chá Comprimido o convidamos a viajar até a origem da milenar rota do chá na China e descobrir este maravilhoso chá.
Desde a dinastia Tang (618-907 d.C) a China começou a utilizar o chá comprimido para facilitar seu transporte em grandes quantidades, o que era feito em cavalos e mulas através da antiga rota do chá, de forma que o chá ocupasse menos espaço. Dessa maneira, os fabricantes que enviavam seus produtos aos povoados da fronteira com a China e os países vizinhos começaram a comprimir as folhas de chá em diferentes formas: el Bingcha (饼茶)é o chá comprimido em forma de disco redondo e achatado; o Túocha (沱茶) é o chá com forma de ninho ou de bowl, e o Zhuānchá 砖茶) é o chá compactado em forma retangular.
Durante o workshop de chá comprimido conheceremos mais sobre a apaixonante história desse chá e realizaremos a degustação guiada (“cata”) de chás comprimidos de diferentes tipos: brancos, verdes, pretos, fermentados (conhecidos como Dark teas) e blends de formatos distintos.
Não é necessário ter conhecimentos prévios. Reservas somente por venda antecipada.

Cata de té

Como preparar o Chá Comprimido

Em primeiro lugar, para preparar o chá comprimido, devemos despregar suas ervas com um quebrador de gelo ou algum instrumento pontiagudo, ou se não tiver, com uma faca, cuidando para não quebrar ou despedaçar suas folhas.
Uma vez que temos a quantidade de ervas que necessitamos para realizar a infusão, as mesmas devem ser enxaguadas antes de serem consumidas, ou seja, devemos colocar um pouco de água quente, na temperatura indicada, para esse tipo de chá e em seguida descartar essa água. Finalmente, deve-se infusionar o chá durante o tempo adequado e então, estará pronto para ser apreciado!

Video – como preparar o chá comprimido

Workshop de Chá do Ceilão

Cata de té de Ceilán

Na workshop de chá do Ceilão, propomos que você descubra os maravilhosos chás deste país, o quarto maior produtor de chá do mundo, atrás da China, Índia e Quênia. Ceilão ou Ceylon em inglês, é o nome adotado pela ilha do Sri Lanka durante o período em que era uma colônia inglesa.

Embora este país seja conhecido principalmente por sua produção de chá preto de alta qualidade, também oferece deliciosas variedades de chá branco e verde que apresentaremos nesta degustação.

Na parte teórica da degustação de chá no Ceilão, aprofundaremos sua história, geografia, clima e costumes em torno do consumo de chá. Em seguida, realizaremos uma degustação guiada de chás de alta qualidade e analisaremos o perfil sensorial de cada um.

A degustação de chá no Ceilão dura aproximadamente duas horas e meia e é direcionada ao público em geral que, por prazer ou interesse geral, deseja aprender mais sobre a cultura do chá.

Não é necessário ter conhecimento prévio. Apenas reservas antecipadas são aceitas.

Cata de té de Ceilán

A história do chá no Ceilão

Na década de 1860, o Sri Lanka ou o Ceilão foi posicionado como o maior produtor de café do mundo e poucos prestaram atenção às plantações de chá. Anos depois, um fungo mortal conhecido como “Hemileia vastatrix” varreu as lavouras de café, levando a indústria local à ruína financeira.

A tradição do chá no Sri Lanka começou no início do século 19, quando os britânicos, colonos da ilha na época, trouxeram a planta de chá Camellia sinensis da China. Desde então, os habitantes se dedicaram ao cultivo do chá e, com o tempo, conseguiram fazer com que o chá preto de Ceylón ou Ceylán se tornasse um símbolo desse país.

Note-se que o Sri Lanka é uma ilha que cresce em altura em direção ao seu centro, com a qual apresenta diferenças marcantes de altitude favoráveis ​​à distinção de chás de baixa, média e alta altitude.

A maioria dos chás no Sri Lanka é colhida o ano todo, mas cada região tem sua alta temporada, que depende dos ventos.

Em relação à sua cultura, os cingaleses normalmente bebem chá preto puro sem leite ou açúcar, pois isso é considerado especialmente benéfico para a saúde. O processo de fermentação requer pré-aquecimento da chaleira com água quente, descarte a água, em seguida, coloque as folhas de chá dentro da chaleira e despeje água quente sobre elas. Com a tampa fechada, a infusão deve permanecer por pelo menos 3 a 4 minutos.

Convidamos você a descobrir mais na degustação de chá do Ceilão!

Logo del león del té de Ceilán o Ceylon Tea

Vídeo: Como temperar o bule?

Workshop de Chá Chinês

Té chino

A workshop de chás chineses é um encontro em que nos dedicamos a descobrir diferentes chás da China, através de análises sensoriais.

A República Popular da China, vulgarmente conhecida como China, é o maior país do leste da Ásia e mais populosa do mundo, com quase um quinto da população mundial.

Como conta a história, o chá é originário da China. É por isso que, nesta degustação vamos nos aprofundar em sua cultura e tradição, descobriremos o clima, a geografia e o terroir das principais áreas produtoras de chá, a estação da colheita e faremos uma viagem virtual para entender a cultura que envolve as diferentes variedades.

É uma atividade teórica e prática, que possui uma apresentação audiovisual na qual desenvolveremos os conceitos mais importantes sobre chá, sua cultura e sua correta preparação, entre outros tópicos.

Após a apresentação, realizaremos uma parte prática na qual os participantes experimentarão uma análise sensorial guiada do chás de alta qualidade, a fim de descobrir as peculiaridades sensoriais dos chás apresentados.

A degustação de chá chinesa dura aproximadamente duas horas e meia, é direcionada ao público em geral que, por prazer ou interesse cultural, deseja aprender mais sobre a cultura do chá.

Convidamos você a descobrir a emocionante cultura do chá na China!

Não é necessário ter conhecimento prévio. Apenas reservas antecipadas são aceitas.

te chino - beneficios y propiedades

A lenda chinesa da descoberta do chá

Diz a lenda que o chá foi descoberto pelo imperador chinês Shen-Nung chamado “O Divino Labrador” por volta de 2750 aC. Quando Shen-Nung estava descansando debaixo de uma árvore, eles lhe trouxeram uma tigela de água quente para saciar sua sede.

Uma brisa suave roçou as folhas de uma árvore de chá, que caiu na tigela do imperador. Shen-Nung bebeu a mistura sentindo-se revigorada e seu corpo relaxou, enquanto sua mente estava afastada de todos os seus tormentos.

Assim, Shen-Nung descobriu o charme dessa bebida e a partir daí ele encorajou o povo chinês a cultivar a planta e preparar a infusão como sua bebida diária. Shen-Nung afirmou: “O chá sacia a sede, reduz o desejo de dormir, anima e anima o coração”.

Hoje, existem muitas regiões na China onde é produzido chá de alta qualidade. Os principais são: Fujian, Zhejiang, Anhui, Hunan e Yunnan. As melhores colheitas de chá são na primavera chinesa (março), mas o chá é colhido em muitas plantações até o outono.

Os chás mais famosos da China são Lung Ching (verde), chás brancos, chás verdes com jasmim, oolongs e Lapsang Souchong de Fujian, Keemun e puerh de Yunnan.

Saiba mais sobre esses chás na degustação de chá chinesa!

Vídeo: Como preparar o chá chinês?

Open chat
1
¿Necesitas ayuda?
Hola, Mi nombre es Florencia. ¿En que te puedo ayudar?